Exemplo de Crença Irracional: Marxismo

Sou conhecido por citar o marxismo como um exemplo de uma crença política irracional. Isso é controverso em círculos intelectuais (de fato, alguns vão ficar fulos por este post), mas isso não impede a afirmação de ser claramente verdadeira; só significa que algumas formas de irracionalidade são populares em círculos intelectuais. Na verdade, considero o marxismo o paradigma da crença política irracional: se não for irracional, nada é. A teoria foi tão terminantemente refutada quanto qualquer teoria social pode ser. Às vezes, pedem que eu explique por que eu digo isso.

Permitam-me começar com por que eu digo que foi terminantemente refutada.

a. Desenvolvimentos teóricos: Logo depois de ser escrita por Marx, sua teoria econômica subjacente foi rejeitada por basicamente a área como um todo e substituída por uma teoria melhor. Praticamente ninguém que estuda o assunto (fora de regimes marxistas opressivos) acredita na teoria do valor-trabalho mais. Sem a teoria do valor-trabalho, não há teoria da mais-valia, nem teoria da exploração, e portanto a crítica marxista central do capitalismo fracassa. Se você não sabe do que estou falando, leia qualquer texto padrão da teoria do preço. Se você aprender a teoria moderna do preço, você concordará com ela, e rejeitará a teoria do valor-trabalho também. É simples assim.

b. Desenvolvimentos históricos: tentaram o marxismo muitas vezes. Foi tentado em muitos países, com diferentes culturas, em todo continente exceto a Austrália e a Antártida. Por diferentes povos, com diferentes variações da teoria, em diferentes épocas. Toda vez deu errado, de forma horrível. Não só uma ou duas vezes, e não deu só um pouco errado. Nos melhores casos, resultou em pobreza extrema e abusos de poder. Nos piores, resultou nas maores atrocidades humanas da história. Ao todo, entre 100 e 150 milhões de pessoas foram mortas por seus próprios governos marxistas no século XX. Ser marxista, até o ponto que eu entendo o termo, é acreditar que, sabendo de tudo isso, devemos tentar mais uma vez.

c. Previsibilidade: Caso você se veja tentado a dizer que Marx não poderia ter previsto essas coisas: sim, ele poderia. Não é muito difícil descobrir que dar poder total ao Estado poderia causar alguns problemas — não é como se a história do governo tivesse sido completamente limpa até o século XX, quando, de repente, pela primeira vez na história, as pessoas com poder começaram a abusar dele. Nem é este só um argumento da direita. Como prova: Mikhail Bakunin foi um anarco-socialista contemporâneo de Marx. Posicionado bem ao extremo da esquerda. Ele avisou a Marx sobre o que aconteceria se os marxistas tomassem o poder — que a ditadura do proletariado se tornaria uma nova classe de exploradores e opressores. Essa é a objeção mais óbvia que deveria brotar em qualquer um que esteja familiarizado com seres humanos, dentro de um minuto após ouvir sobre as opiniões de Marx.

Marx dispensou os avisos de Bakunin com uma série de insultos pessoais e declarações dogmáticas. Citações verdadeiras da resposta de Marx a Bakunin: “Besteira de menino de escola!” “O asno! Isso é disparate democrático, demagogia política!”(1)The Marx-Engels Reader, 543-5. Mas o que Bakunin previu é a essência do que exatamente aconteceu. Dou esse exemplo para ilustrar que até mesmo um extremo esquerdista conseguia ver o maior problema, mesmo lá no século XIX.

A segunda mais óbvia objeção ao comunismo é que as pessoas não vão trabalhar de forma altruísta para o bem da sociedade. Dificilmente esta era uma descoberta nova e inédita de qualquer pessoa familiarizada com os seres humanos, se essa pessoa devotasse qualquer esforço a pensar sobre o que poderia dar errado. E, se uma pessoa quer refazer radicalmente a sociedade mas não devota nenhum esforço a pensar sobre o que poderia dar errado, essa pessoa é irracional.

Bertrand Russell — ele próprio um socialista democrata — disse isso a respeito de Marx: “Minhas objeções a Marx são de dois tipos: uma, que ele era um pensador confuso e obscuro; e a outra, que o pensamento dele era quase inteiramente inspirado pelo ódio”. (2)Fonte:
http://www.rjgeib.com/thoughts/opiate/why.html

Russell visitou a Rússia em 1920, poucos anos depois de os bolcheviques terem tomado o poder. Mesmo nesse estágio precoce, ele concluiu que o experimento do comunismo tinha sido um fracasso. Dou esse exemplo para ilustrar, mais uma vez, que não era necessário ser de direita para ver problemas no marxismo muito tempo atrás.

Agora, se alguém, depois de tudo o que vimos, diz que “devemos tentar o marxismo de novo”, eu acho que essa não é uma resposta racional possível às evidências. Uma pessoa racional não pode pensar assim.

Mesmo assim, é possível topar com marxistas no mundo que eu habito (o acadêmico), e eles geralmente parecem pessoas normais, até boas pessoas, além de inteligentes e educadas — exceto por serem marxistas. Eu não sei como isso se dá, exceto pelo poder da política de desativar as capacidades de raciocínio das pessoas.

P.S.: Esqueci-me de mencionar também que: Praticamente toda previsão testável e significativa feita por Marx se revelou o exato oposto do que aconteceu. Por exemplo, a classe média deveria ter encolhido e desaparecido, a classe baixa deveria ter se expandido, todos deveriam ter empobrecido, e o capitalismo então entraria em colapso devido às suas “contradições”. Em vez disso, a classe média cresceu, a classe baixa encolheu, todos enriqueceram, o capitalismo se expandiu e o comunismo caiu.

Por Michael Huemer, professor de filosofia na University of Colorado, Boulder, autor de mais de setenta artigos acadêmicos, além de seis livros. Em Fake Nous, 25 de maio de 2019.

Notas   [ + ]

1. The Marx-Engels Reader, 543-5.
2. Fonte:
http://www.rjgeib.com/thoughts/opiate/why.html

Sugestões de leitura