Os 10 maiores benefícios de ser ateu

por Paul Ratner*, em Big Think, 19/04/2016

os-10-maiores-beneficios-de-ser-ateu

Embora o número exato seja difícil de definir, estima-se que 13% das pessoas do mundo se identifiquem como ateias. Enquanto acreditar ou não em um Deus é uma escolha pessoal complexa, há um crescente corpo de evidências que aponta para certos benefícios de ser um ateu.

Ser um teísta tem suas próprias vantagens, mas aqui estão algumas das razões pelas quais ser um ateu pode ser benéfico a você (não necessariamente em ordem de importância).

1. FELICIDADE

Países escandinavos tendem a ser os países menos religiosos do mundo ocidental e ainda assim são consistentemente classificados como os mais elevados nas pesquisas que medem índices de felicidade. Muitos fatores entram em tais avaliações, como a economia, a expectativa de vida, saúde, redes de segurança social e a transparência do governo, mas é difícil não notar uma potencial correlação entre ateísmo e felicidade.

2. INTELIGÊNCIA

Ateus tendem a ter QI mais alto e foram mostrados como sendo geralmente mais inteligentes do que as pessoas religiosas. Pessoas inteligentes também tendem a passar mais tempo na escola, que por sua vez leva ao maior sucesso profissionalmente.

3. MELHORES EMPREGOS

Isto decorre da razão anterior – as pessoas mais inteligentes tendem a fazer melhor no local de trabalho. Os mesmos estudos que mostraram maior nível de QI para ateus, também se equivaleram sobre a obtenção de empregos de nível superior e maior remuneração.

4. AUTOESTIMA E AUTOCONFIANÇA

São dois lados da mesma moeda. Não está sendo dito a ateus que eles são culpados e pecaminosos, como é o caso com muitos ensinamentos religiosos. Isto leva a uma maior auto-estima e um sentimento de controle sobre os acontecimentos da vida. Como ateus não esperam uma divindade para ajudá-los a resolver um problema, eles irão abordá-lo pessoalmente e diretamente. A autoconfiança aumentada pode ter um efeito positivo em suas próprias vidas, mas também na vida dos outros. Quando não há nenhuma roda da vida**, reencarnação, céu ou inferno, a responsabilidade de fazer escolhas recai sobre os indivíduos.

5. PROGRESSO

Ateus tendem a valorizar muito mais a descoberta científica e são menos propensos a ficar no caminho do progresso científico, como já aconteceu muitas vezes por motivos religiosos. Uma sociedade ateísta é mais racional e orientada pela ciência.

6. SAÚDE

Ateus acreditam na ciência e por isso não ficam no caminho de tratamentos médicos, por motivos religiosos. Embora haja estudos que mostram os benefícios de saúde física e mental de ser um crente, também há estudos recentes que mostram não haver diferença significativa na saúde mental das pessoas religiosas e não religiosas. Na verdade, pode-se argumentar que ter uma auto-estima forte e melhor status econômico torna os ateus mais saudáveis.

7. TRANQUILIDADE

Ateus não iniciam guerras ou cometem atos de terrorismo por motivos religiosos, só para provar que sua divindade é a correta. Por outro lado, o ateísmo marxista-leninista no núcleo do comunismo certamente deu ao ateísmo um nome ruim, mas não é necessariamente um argumento que ateste que o ateísmo em si tenha levado à repressão e assassinatos. Havia complexas razões históricas, sociais e econômicas para isso. Ateus tendem a não matar os outros por causa do ateísmo.

8. CETICISMO

Ateus são céticos em geral e tendem a olhar para questões do ponto de vista racional, frequentemente científica que exige provas. Para um ateu, elementos da realidade são observáveis e podem ser testados.

9. QUESTÕES SOCIAIS

Ateus tendem a ser muito envolvidos em questões de justiça social. Eles não acreditam em algum poder superior ou ordem que poderia ter pré-ordenado os seres humanos na vida. Tudo é deste universo material e pode ser melhorado.

10. MELHOR SEXO

Não seria uma lista valiosa se não falássemos sobre sexo. Há estudos que mostram que ateus têm melhor vida sexual do que as pessoas religiosas devido simplesmente a não se sentirem culpados por isso. A culpa sobre o sexo é certamente uma característica forte em muitas religiões do mundo e os discursos políticos que geram (particularmente nos Estados Unidos). Existem também estudos que mostram uma maior satisfação com o sexo entre os crentes, mas como isso não é algo em que eles realmente deveriam se focar e discutir (de acordo com princípios religiosos), é difícil saber de onde vêm suas respostas.


Estas razões significam que você deve abandonar sua fé? Você faz suas escolhas. Mas um ateu não precisa carregar qualquer estigma negativo em um mundo ainda dominado pelos crentes.

O professor de psicologia Benjamin Beit-Hallahmi perfilou um provável ateu:

“Podemos dizer que os ateus mostram ser menos autoritários e sugestionáveis, menos dogmáticos, menos preconceituosos, mais tolerantes com os outros, cumpridores da lei, compassivos, conscientes e bem educados. Eles são de alta inteligência, e muitos são comprometidos com a vida acadêmica e intelectual.”

Isso definitivamente soa como uma boa pessoa.


Michael Shermer, da Sceptic Magazine, explica como não-crentes eventualmente se tornarão a norma em todo o mundo, no vídeo abaixo (em inglês).


Há evidências do crescente número de não-crentes nos Estados Unidos. Segundo pesquisa da PEW Research Center,

“a população religiosamente não afiliada – incluindo todos os seus constituintes subgrupos – tem crescido rapidamente em proporção ao total da população dos EUA. A parte dos ateus auto-identificados quase dobrou de tamanho desde 2007, de 1,6% para 3,1%. Agnósticos têm crescido de 2,4% para 4,0%. E aqueles que descrevem sua religião como “nada em especial” têm aumentado de 12,1% para 15,8% da população adulta desde 2007. Em geral, os “nenhum” religiosos cresceram de 16,1% para 22,8% da população nos últimos sete anos.”


* Paul Ratner é escritor e cineasta.  Seus filmes premiados têm sido executados em inúmeros festivais de cinema ao redor do mundo.  Recentemente, terminou de dirigir um longa-metragem sobre filosofia, ciência marginal e história nuclear, e escreveu uma coleção de histórias de ficção flash surreal.  Está atualmente trabalhando em seu primeiro romance.  Paul tem uma propensão para imagens raras, ciência, filosofia e história. Você pode acompanhar o seu trabalho na paulratnerimagines.com, no Facebook e no Twitter.

** N. do T.: A roda da vida é um sistema de auto-avaliação, originalmente desenvolvido pelos hindus, sendo bastante utilizado no meio budista e ilustrado enquanto um círculo com diversas divisões.

Tradução e revisão: Alysson Augusto

Comentários

comentários


Compartilhe: